quarta-feira, 1 de agosto de 2012

#Resenha: Aviador

Título original: Airman
Autor: Eoin Colfer
Editora brasileira: Galera Record
Páginas: 448
Preço: R$ 47,90 (Nas livrarias Saraiva, Nobel e Cultura)
Sinopse: Conor nasceu para voar. Ou, mais precisamente, nasceu voando. Em uma era de descobertas e invenções, muitos sonhavam em voar, mas para ele isto era mais do que um sonho: era seu destino. Em uma noite sombria, uma traição cruel e astuciosa destrói sua vida e rouba seu destino. Agora, Connor precisa ser o primeiro a conseguir alçar voo, para salvar a família e corrigir um terrível engano. (retirado de http://www.sobrelivros.com.br/info-aviador-eoin-colfer/)


Aviador é simplesmente sensacional. Conor Broekhart é um personagem apaixonante que desperta o espírito aventureiro e bravo de qualquer leitor, tal como a história, que toma a atenção e a curiosidade de quem a lê com uma força tremenda.

Um livro para jovens e adultos, diferente de muita coisa que você já viu e, também, semelhante. Como? Eoin Colfer soube criar uma história com um "trajeto" comum, já conhecido em obras clássicas, porém o altera "a la Colfer". A mesma aventura e suspense encontrados nos livros de Artemis Fowl, você pode encontrar em Aviador (nada nunca parece exatamente certo ou feliz, algo aparece para determinar o erro e a infelicidade, o protagonista se encontra numa situação complicada e para sair dela passará por muitos desafios, etc.). Ao contrário de muitas obras "curtas" (é um livro pequeno/médio) de aventura, as reviravoltas não se dão "de repente", afinal, existe um contexto que leva até elas e esse contexto, em Aviador, é eletrizante.

Eoin não poupa o jovem Conor (e mais tarde Finn) do sofrimento e da angústia. Novo, Broekhart é submetido a uma traição, à perda de sua família e a um teste pesado de sobrevivência numa prisão de homens carrancudos, fortes e ignorantes. Claro, nem todos são assim. Ao ser enviado à prisão, o garoto descobre que o cego da cela ao lado é um nobre senhor, também vítima da injustiça, porém, diferente de todos os outros prisioneiros, ele é leal e muito bondoso. É ele que guiará Conor enquanto pode e que servirá de inspiração ao garoto quando não puder mais guiá-lo.

O modo como Colfer escreveu este livro torna a leitura algo delicioso e viciante de se ler. A edição brasileira possui a letra grande, e, por isso, acaba aparentando ser um livro extenso, mas ainda assim é curto ou médio para os padrões. Algo para pegar e só largar porque o braço ficou dormente. Não existem partes entediantes, pois, sempre quando algo começa a tomar um rumo "chato", alguma coisa surpreendente acontece, retomando toda a energia e todo o suspense da trama. Cenas como a da prisão são aquelas que vão te manter de olhos arregalados durante a madrugada, mesmo que o sono esteja gritando dentro de você. O romance presente na história também é atrativo e bonito. (N.P.*: Acredite se quiser, mas eu nunca realmente gostei ou deixei de ser indiferente em frente a romances de livros, só Aviador me proporcionou a famosa sensação de "shippar" um casal)

Em suma, Aviador é uma história divertida, chocante, surpreendente, apaixonante, inspiradora e deliciosa. Se prepare, porque a maior aventura da sua vida estará entre as páginas deste fabuloso livro, o qual recomendo totalmente.

Nota: ★★★★ 


*N.P. = Nota Pessoal

5 comentários:

  1. Mt legal kkkkk -vitu

    ResponderExcluir
  2. muito interessante esse livro e o modo como vc o descreveu deixa aquela leve vontade de ler o livro, mt boa a resenha

    ResponderExcluir
  3. Concordo com a gisele. Vc sua resenha ta oootima, fiquei realmente com mt vontade de ler. ^^

    ResponderExcluir
  4. Concordo com a gisele. Vc sua resenha ta oootima, fiquei realmente com mt vontade de ler. ^^

    ResponderExcluir